27/11
 

Foi por acreditar que histórias inspiradoras precisam ser compartilhadas que foi criada a parte de voluntariado do Next Stop. E a entrevista de hoje é exatamente isso: uma história muito bacana de alguém que foi parar numa cidadezinha do litoral da África do Sul. Adriana Gaspary foi voluntária com crianças numa escola no meio de uma reserva ambiental. Confira!

Chintsa

País e cidade que morou: Chintsa, África do Sul.

Qual foi a documentação exigida? Passaporte e carteira de vacinação internacional (é obrigatória a vacina da febre amarela). Não é preciso visto para brasileiros.

Quanto tempo ficou? Cerca de 15 dias.

Que idade tinha? 18 anos.

Qual época do ano foi? De 22 de fevereiro à 09 de março de 2015.

Viajou sozinha? Sim, mas no grupo de voluntárias tínhamos duas inglesas e três alemãs, além de uma inglesa e uma americana em outro projeto da organização.

Como organizou a viagem? Fiz contato com a organização através da CI (Central de Intercâmbio), que fez o intermédio com a VA32. Tive que fazer uma prova de inglês escrita e oral para comprovar domínio da língua e foi feita a requisição para a organização. Em alguns dias recebi a resposta e precisei providenciar as vacinas, o seguro de saúde, passagens e rands (moeda do país), que é mais difícil de encontrar em câmbios.

Que tipo de hospedagem utilizou? Fiquei em uma casa era dividida entre os voluntários, com quartos de 2 ou 3 pessoas.

Como era a alimentação? O café da manhã e o almoço eram por nossa conta, mas tínhamos uma moça que cuidava da casa e deixava janta pronta, geralmente algo típico e caseiro. Havia apenas um mercadinho bem pequeno, o mercado maior ficava em uma cidade vizinha na qual íamos uma vez por semana. No mais, a cidade possuía apenas um restaurante, que servia pizzas e petiscos.

Por que escolheu esse destino? A África sempre foi um sonho, então minha única certeza era que eu precisava ir para um país africano. A África do Sul foi a escolha mais prática, e Chintsa foi escolhida por ser uma cidade bem pequena e desconhecida, que me chamou muito a atenção na hora que pesquisei.

Qual o objetivo da viagem? Trabalhar com crianças, conhecer pessoas novas e me conhecer melhor como pessoa.

Onde trabalhou? Em uma pré-escola rural chamada Bulugha Farm School, localizada no meio de uma reserva ambiental, com ocasionais visitas de girafas junto da grade.

Como foi o trabalho voluntário? Eu chegava na escola por volta das 8h30 e ajudava a preparar e servir o café da manhã para as crianças; depois ia com elas para a sala de aula e passava a manhã auxiliando a professora a preparar atividades e brincadeiras com os alunos. Em alguns dias levava elas para dançar no pátio. Depois da aula eu tinha cerca de 1h livre com elas e ficávamos correndo pela escola. Às tardes são realizadas atividades variadas, como esporte, clube de teatro e visitas ao abrigo local, Greensleaves, onde fazíamos atividades e brincadeiras com as crianças.

CHINTSA 3 - VLIFESTYLE - NEXT STOP

O que mais marcou durante esse trabalho? Além das crianças, as pessoas incríveis que eu pude conhecer, tanto do meu projeto quanto de outros que ficavam em casas próximas, os mochileiros e cidadãos locais.

E como foi o relacionamento com as pessoas locais? Os sul-africanos são incrivelmente simpáticos e receptivos, então fui muito bem recebida. Como a maioria fala inglês, não tive tantos problemas com o idioma local, mas fiz questão de aprender um basicão de Xhosa para poder me comunicar melhor.

O que mais gostou durante a viagem? Com certeza o trabalho com as crianças, tanto as da escola quanto as do abrigo, que são muito carinhosas e receptivas. Me apaixonei pela comida e pela praia também, mas nada se compara à relação com as crianças.

chintsa - vlifestyle

O que menos gostou? Ter que voltar para o Brasil!

O que surpreendeu? Os macacos que invadiram a casa quando esqueci a janela aberta e roubaram comida!

O que decepcionou? Não ter tido a possibilidade de passar mais tempo no projeto.

Lugares um turista tem que visitar? A cidade é muito pequena e eu acabei não conseguindo fazer muitos programas turísticos devido ao tempo, então minhas sugestões são bem locais.

– A praia de Chintsa East, que é lindíssima.

– Buccaneers’ Backpackers – Local de hospedagem para turistas e mochileiros com uma vista incrível para a praia, onde passamos os finais de semana. É o melhor lugar para conhecer pessoas sensacionais de várias partes do mundo, com um bar que funciona (e lota) todos os dias da semana.

-The Barefoot Cafe – Praticamente o único restaurante da cidade, foi lá que comi a melhor pizza da minha vida, chamada The Nigel.

Quanto gastou? Entre 7 e 8 mil, incluindo os gastos de lá

Voltaria? Com toda a certeza do mundo, sim!







Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *