viagem

  22/04
 

Viajar é algo indescritível, independente do tipo de viagem que você goste de fazer. Em família, amigos ou sozinho, explorar novos lugares traz um novo sentido para o dia a dia e mostra o quanto somos pequenos diante da imensidão da Terra. O problema são os custos. Além das passagens e alimentação, a estadia geralmente pesa no bolso. Para que isso não impeça você de desbravar o mundo, aqui vão três opções de hospedagem mais baratas que hotel. Tem para todos os gostos!

OPÇÕES DE HOSPEDAGEM MAIS BARATAS - VLIFESTYLE

01. HOSTEL: Nada mais é do que um albergue com nome gringo. Nos últimos anos se popularizam e a galera perdeu totalmente o preconceito. Você aluga uma cama num quarto compartilhado e também divide banheiro, às vezes cozinha também. O bacana nessa opção é que, além dos preços super acessíveis, você pode fazer novas amizades do mundo todo.

02. COUCHSURFING: Que tal um estranho dormindo no seu sofá ou você acordando no sofá de uma família que nunca tinha visto na vida? Calma, não é tão assustador assim. O Couchsurfing é uma plataforma onde as pessoas oferecem hospedagem para viajantes – não necessariamente sofás, como sugere o nome. É ideal para mochileiros e pessoas desprendidas. Atualmente têm casas de mais de 240 países cadastradas! A ideia resgate o espírito de solidariedade das pessoas, pois é grátis. Porém, vale lembrar que você deve estar atento ao dia a dia dos moradores, seguindo suas regras e tudo mais. Outro ponto negativo pode ser a falta de privacidade.

03. AIRBNB: A melhor opção para quem achou as outras duas muito alternativas. Funciona assim: você faz um cadastro no site (também tem aplicativo) e busca por imóveis no lugar que você está indo, filtrando pela data, número de pessoas e algumas exigências que você possa querer no ambiente. São pessoas do mundo todo que anunciam suas casas ou apartamentos, seja um parte deles ou todo o local. O preço vale muito a pena e minha experiência com Airbnb foi ótima! O apartamento era exatamente como nas fotos e o proprietário foi super atencioso. E o preço para duas pessoas foi menos do que só uma gastaria num hotel.







  08/09
 

O texto de hoje é pra lá de especial e por vários motivos. A Itália é um dos destinos mais unanimes do mundo, seja pela cultura, pela culinária ou pelas belas paisagens. E Roma foi escolhida pela jornalista Tyssi Vidaletti para viver. Gaúcha, a jovem divide agora um pouca das suas experiências em terras italianas. Como dicas não faltam, semana que vem ela volta ao VL e fala sobre turismo, comida e relacionamento com os romanos. Espero que gostem tanto quanto eu!

NEXT STOP ROMA - VLIFESTYLE

“Roma fu fatta um po’ pè vorta”, (Roma foi feita um pouco de cada vez) diz o ditado romano, e essa é a magia da capital italiana. A cidade que, de acordo com estudiosos, foi fundada em 753. a.C, foi a primeira grande metrópole do mundo. Desde então se mantém e se modifica constantemente. Caminhar pelas ruas é esbarrar em pedras, ruínas, pinturas e esculturas de todas as datas que se possa cogitar. É admirar arquiteturas e ficar sem ar ao pensar no tempo que estão ali. É a mescla do Império Romano, com o medieval, a chegada do Renascimento (que desceu de Florença), mais tarde a Revolução Industrial e a Segunda Guerra, com traços fortes do Mussolini e do regime fascista. E escrever isso parece tão redundante após dizer: ROMA.

Não é a primeira vez que venho à Itália, mas é a primeira vez que moro em Roma. E pensei escrever sobre a Itália num todo, mas para quem escreve sem pensar muito, fica impossível, são tópicos infinitos. Estou em Roma há 10 meses. A escolha foi bem simples, já tinha conhecido superficialmente, é a capital, é apaixonante, é milenar, é grande, é histórica, é cultural, é caótica, é antiga… Voltando, vim para estudar e por outros mil motivos subjetivos. A escolha pela Itália estava sacramentada, já sabia a língua e, por lógica, morar na capital quase sempre parece uma ótima ideia.

A CHEGADA

Falei com uma amiga que morou comigo em Torino, ela me passou o contato de um romano, amigo dela, ele me passou um grupo no facebook. Nesse grupo achei um quarto para alugar por um mês, em um apartamento dividido com duas meninas italianas. Foi fácil. Do aeroporto tem vários ônibus que deixam no Termini (estação ferroviária central de Roma). Tem dois aeroportos: Fiumicino: 35km do centro – o maior e intercontinental, digamos… e o Ciampino responsável por voos lowcost dentro da Europa, 17km do centro.

Vim com a minha gata, a Nina, isso fez com que a minha busca por apartamento dificultasse um pouco, mas ainda bem que achei uma menina bem doce em relação aos animais e não houve problema. Este primeiro mês de apartamento era para que eu resolvesse burocracias da faculdade e procurasse um kitinete (monolocale, em Italiano) para morar com o namorado que chegaria um mês depois. E todas as metas foram cumpridas dentro deste mês.

‘ROMAs’

Acredito que todas as cidades “famosas” do mundo se ‘separem’ em duas: a turística e a habitada, com Roma não é diferente. A Roma turística é aquela que não preciso repetir, e logo colocarei algumas dicas. A habitada é um pouco diferente: achamos que o Brasil é burocrático? O Brasil foi um aluno muito mal aplicado na matéria burocracia. A Itália é PhD master blaster da burocracia, eu diria que é tanta que, as vezes, para não ter um treco eu dou risada. Um exemplo simples: aqui tudo é baseado na tua residência, ok, no Brasil também temos que comprovar, mas aqui, fica registrado na tua carteira de identidade e tu não pode fazer nada a não ser na tua cidade de residência – e isso eu digo: não pode abrir conta no banco, não pode receber serviço médico, não pode assinar nenhum documento a não ser na tua cidade residencial. E para pedir a residência? Ixi gente… seria um texto só disso.

Estudantes com visto (não só estudantes, mas qualquer estrangeiro que fique mais que o tempo estipulado por ‘contratos diplomáticos’), no caso este, brasileiros que permanecerem mais de três meses no território, tem que pagar o permesso di soggiorno. É juntar uma papelada, marcar uma entrevista no escritório de imigração e pagar uma grana (entre 150 e 300 euros) para ter a ‘permissão’ de ficar no território. Essa prática/valor tem sido reprovada pelos outros países da UE, mas continuará assim, pelo que conheço de Itália.

Com a burocracia geral da Itália, morar aqui significa mais ou menos: “uma respirada uma taxa”. Se vale a pena? Sim, vale! Mas tente procurar trabalho, só assim! O bom da cidade ser turística é que tem pub’s, bares, museus e tantas outras possibilidades pra tentar uma graninha, além do italiano é bom falar inglês – mas acho que isso geral já sabe.”


Ficou com gostinho de quero mais, né?! Então confira na próxima terça-feira o “Next Stop: Roma II”, repleto de dicas imperdíveis!







  10/08
 

fashionfriqueAquelas imagens de inspirações de looks que fazem qualquer pessoa delirar. Além de moda, também traz fotos de lugares paradisíacos. (** em inglês **)

 

 

campingofficialEssa dica é para os amantes de viagens e aventura. O Camping Official é um instagram de – como o nome sugere, lugares na natureza de tirar o fôlego, perfeitos para acampar. (** em inglês **)

 

theinspiredroomThe Inspired Room é um blog de home decor e afins. É um dos meus favoritos do ramo e foi eleito ano passado como um dos melhores blogs de decoração e DIY. (** em inglês **)

 







  09/06
 

Viajar é uma das coisas mais deliciosas do mundo. A prova de que todos gostam de desbravar o mundo é que, quando perguntamos para alguém “o que você faria se fosse milionário?”, geralmente ouvimos “viajaria pelo mundo”. Porém, não precisamos abandonar tudo e vender a casa para fazer isso. De pouquinho em pouquinho, podemos ir viajando e conhecendo cenários maravilhosos. E já que é por etapas, aqui vai uma lista de dez lugares para conhecer antes dos 30 anos.

Não, calma. Ninguém aqui está dizendo que não podemos viajar depois dos 30. A questão é que a idade marca uma passagem importante para muitas pessoas, e nada melhor do que essas listinhas para impor algumas metas motivantes.

VLIFESTYLE - 10 LUGARES PARA CONHECER ANTES DOS 30

01. Barcelona – Espanha

Barcelona

02. Rio de Janeiro – Brasil

Rio de Janeiro - cidades brasileiras mais visitadas

03. Machu Picchu – Peru

Machu Picchu

04. Las Vegas – Estados Unidos

Las Vegas

05. Cancún – México

Cancun

06. Gold Coast – Austrália

Gold Coast

07. Amsterdã – Holanda

Amsterdan

08. Londres – Reino Unido

Londres VLIFESTYLE

09. Dublin – Irlanda

Dublin

10. Phi Phi Island – Tailândia

Phi Phi Island - Thailand

 







  26/05
 

“Em janeiro de 2014, após 36 horas entre aeroportos e voos, cheguei em Tel Aviv, Israel. Fiquei 10 dias por lá com um grupo de 20 brasileiros e 20 americanos. Visitamos diversas cidades, mas as mais conhecidas de Israel são Tel Aviv e Jerusalém.

Masada - Israel - vlifestyle

Não tem como falar de Oriente Médio e não falar do Mar Morto. Era inverno e estava 13 graus no dia, mas mesmo assim coloquei meu biquíni e fui. Foi uma realização conseguir boiar sem nenhum esforço, o mar fez isso por mim. Fomos a uma praia fechada que estava bem cheia, mas aproveitei para passar a famosa lama do Mar Morto para hidratar o corpo (dica: espere para comprar os cosméticos feitos com a lama nos free shops do aeroporto, mas não se esqueça do limite para líquidos em voos internacionais).

Saindo do litoral, outro local muito importante é o Muro das Lamentações datado do ano 70. É emocionante ver as pessoas fazendo suas orações, uma energia incrível, é revigorante. Não se impressione se, mesmo em tempos sem conflitos, ver jovens carregando armamento pesado pela cidade, inclusive em torno de templos sagrados. Em Jerusalém está localizado o Museu Yad Vashem, que é o maior centro de informações e memorial sobre o Holocausto. Só de lembrar como foi estar dentro do museu me arrepia, é como estar dentro de um filme.

Muro das Lamentações - Israel - VLIFESTYLE

Muro das Lamentações

Tel Aviv é o centro financeiro de Israel, é mais moderna, com prédios que são considerados patrimônio mundial pela UNESCO, por possuir a maior concentração de prédios em estilo Bauhaus do mundo. Tel Aviv também é conhecida por Tel Aviv-Yafo, sendo Yafo conhecida por “old city”, cidade portuária que foi anexada à cidade de Tel Aviv. A parte antiga concentra muita história e mercados. Para quem gosta de compras de rua, Israel é cheio de mercadinhos espalhados pelas cidades, onde se pode encontrar especiarias únicas do Oriente Médio ou souvenirs. A cidade de Haifa tem um dos mais importantes portos de Israel e tem uma vista linda. Outra atração que recomendo para quem vai para Israel é andar de camelo, eles são meio fedorentos, é meio desconfortável, mas vale a pena (ainda mais se você estiver com alguém que goste muito). Também aconselho a ir à Masada, escolha um tênis confortável para subir 500 metros de um monte rochoso.

Israel 1

Tel Aviv - Israel - VLIFESTYLE

Tel Aviv